Texto no “Fazendo” N.º 94

 

Fazendo 94Acaba de ser publicado no número 9 da revista cultural Fazendo, que se publica na cidade da Horta, o meu texto intitulado “Áureo Castro: Uma nota biográfica”, que incide sobre o perfil do padre Áureo da Costa Nunes e Castro, nascido na Candelária ((ilha do Pico) e que fez carreira musical em Macau, tendo fundado uma série de instituições musicais nessa cidade, que ainda hoje se mantêm em actividade. Este texto está incluído na série “Notas biográficas sobre compositores portugueses”, uma colecção de pequenos textos de divulgação que tenho vindo a escrever. (mais…)

Texto no “Fazendo” N.º 87

Fazendo 87Repetição do texto que saiu no numero 85 do Fazendo sobre Duarte Lobo e a existência de dois impressos de polifonia – o Liber missarumMagnificat - assim como um  impresso de Magnificat de Frei Manuel Cardoso no Arquivo Capitular da catedral.

Há também a notar um artigo sobre o Ensemble da Sé de angra (que dirijo) e o trabalho que tem vindo a desenvolver. O artigo aparece a propósito do primeiro aniversário deste agrupamento, que em Maio último completou um ano de existência. (mais…)

Texto no “Fazendo” N.º 85

Fazendo 85O 85.º número do Fazendo (no passado mês de Maio) foi dedicado à ilha Terceira, ilha onde também passará a ser distribuído na sua versão impressa, como já aconteceu na ilha do Pico. É, sem dúvida, um projecto que está a ganhar dimensão na divulgação da cultura nos Açores e fora da região.

O pequeno texto da minha participação, intitulado Duarte Lobo e a Sé de Angra, incide sobre os três impressos de polifonia portuguesa por mim identificados aquando da catalogação do Arquivo Musical Capitular da Sé Catedral de Angra, achado que convém sempre recordar pela sua importância no conhecimento da polifonia sacra no país e por se tratarem de fontes inéditas no arquipélago. (mais…)

Lançamento do “Fazendo” na Ilha Terceira

Lançamento Fazendo TerceiraFazendo, boletim cultural para o qual colaboro, lança o seu número 85 hoje, pelas 21:30, em Angra do Heroísmo. Este tem sido um projecto com que venho colaborando há já uns quantos números. Apesar de ser uma ligação meramente virtual, potenciada pela troca de emails, sinto uma forte empatia com este periódico que, apesar das vicissitudes do momento, não só tem sobrevivido mas tem-se expandido para fora dos limites geográficos do Faial (primeiro Pico, e agora Terceira) e desenvolvido uma actualização de conteúdos e aspecto gráfico. Um projecto a não perder de vista. (mais…)

Texto no “Fazendo” N.º 78

Mais um pequeno texto da série Uma Nota Biográfica, sobre compositores portugueses, que publico mensalmente na agenda de divulgação cultural da Horta, o Fazendo. Tenho que realçar que este número 78 do Fazendo inicia uma nova série de publicação desta agenda, com um novo grafismo. Esta nova imagem gráfica parece-me ter mudado para melhor. Em termos visuais, apresenta os textos mais alinhados e com um aspecto já mais de revista do que propriamente de boletim. As minhas felicitações à redacção pela boa orientação. (mais…)

Texto no “Fazendo” N.º 77

Já passou algum tempo desde a sua publicação, mas passo a anunciar mais um pequeno texto da série Uma Nota Biográfica sobre compositores portugueses, que publico na agenda cultural Fazendo, que se publica mensalmente na cidade da Horta. O texto do número 77 desta agenda incide sobre o compositor português António Fernandes, que esteve activo durante a segunda metade do século XVI, sobretudo na Capela do Paço Ducal, em Vila Viçosa. (mais…)

Texto no “Fazendo” N.º 76

Mais um pequeno texto da série “Notas Biográficas” que venho publicando no Fazendo, agenda que se publica na cidade da Horta (ilha do Faial).

O texto deste número 76 traça em termos muito gerais um perfil biográfico do compositor português seiscentista João Lourenço Rebelo. Rebelo foi um compositor atípico na História da Música portuguesa de seiscentos: a sua obra, na maioria para largas formações vocais e instrumentais, sai completamente fora dos parâmetros da composição sacra em Portugal nesse tempo. Provavelmente influenciado pela vasta biblioteca do seu amigo de longa data, D. João IV, a sua obra parece inclinar-se para a policoralidade veneziana e dos compositores flamengos activos na Capilla Real em Madrid. (mais…)